"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

14/07/2013

Se amares a escrita ela irá amar-te também.

A escrita é uma arte pura. 
É um prolongamento do nosso ser. Um prolongamento que preenche não só os nossos corações como também corações alheios, que necessitam de palavras para acalmarem as suas dores ou darem sentido aos seus caminhos. A escrita é uma arte que não faz distinções entre géneros, etnias, religiões ou idades. Que não olha para as nossas atitudes e nos aponta o dedo como  a sociedade tantas vezes faz.
As palavras que deixamos soltas são, simplesmente, aceites como parte do mundo e quem as escreve não é julgado por aquilo que sente ou pela aparência que tem. 
Os escritores vivem por entre as palavras e dissipam-se em cada novo parágrafo, deixando para trás pontuações que dão expressão aos seus pensamentos. Deixam de ser eles a escrever, pessoas banais que vivem a vida observando o que as envolve, entrando numa realidade alternativa: uma realidade onde mais ninguém consegue entrar. 
E a escrita é isso mesmo, uma liberdade de exposição, uma vontade de mostrar ao mundo parte do nosso ser: aquela parte que vive escondida. Há verdade nas acções que tomamos quando desenhamos os traços das palavras que tão bem conhecemos e com as quais namoramos desde o primeiro dia, aquele em que pegámos num lápis de carvão nº2 sob o olhar atento da nossa professora. Quando escrevemos existem sentimentos reais por detrás de cada vírgula que separa os nossos pensamentos baralhados. 
A escrita é uma arte tão pura que se deixa voar por todos os lados, tão rápida quanto a luz. Várias mãos rabiscam em todo os cantos do mundo e ninguém consegue deter o poder daquilo que, de único passa a pertencer a tantas outras vidas. A escrita é global. Não pergunta quem és, de onde vens ou o teu passado. Assume-te como amante dela e abraça-te, prendendo-te contra ela. Vicia-te de uma forma profunda. Por isso defende-a. Ama-a. Cuida dela. Não deixes que a destruam. Nunca te esqueças que quando mais precisaste ela te acolheu, te protegeu da solidão e te deu uma casa onde morares nos dias de tempestade. 

Acima de tudo ela ama-te e enquanto a protegeres ela irá amar-te.

5 comentários:

  1. O nosso coração tem o poder de transformar qualquer coisa pequena em grande. Tudo o que ele quer, ele transforma, e às vezes até o que não quer.

    ResponderEliminar
  2. Percebi depois que este não era o blog certo para retribuir o comentário, desculpa**

    ResponderEliminar
  3. gostei muito deste blog :) a escrita é muito bonita e muito simples
    segui obviamente! eu estou aqui caso queiras seguir de volta http://goldendays2.blogspot.pt/ obrigada!

    ResponderEliminar