"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

23/08/2013

«Sem sinal teu»


São duas da manhã, deitada na cama olho em redor, estava tudo escuro assim como o meu coração. Sentia o meu ritmo cardíaco cada vez mais forte, estava gélida, o meu corpo não queria responder às minhas vontades. Cheguei a pensar que era o meu fim. Vagueavam na minha mente, imagens tuas, o teu rosto suave, o teu olhar selvagem que me prendia a ti, a tua sensualidade, o teu sorriso que me alegrava a vista. Aí percebi que o amor por vezes dói. Comecei a chorar, relembrei-me das nossas noites de amor, das noites abraçadas a ti, do teu colo, do cheiro do teu perfume caro a vaguear pela casa e pelas minhas roupas, ainda tinha tudo teu presente em cada canto meu. Eu fiquei a perguntar-me como poderia gostar de alguém que às vezes era doce e bruto, que tinhas mudanças de humor repentinas, por vezes a meio das discussões pegavas num cigarro e ias fumar para a janela, tu sabias o quanto detestava isso. Deixaste-me neste tormento, nesta dor que me sufoca, já não te tenho o rasto, estou sem sinais teus, podias ser a pessoa mais diferente do mundo, mas eu amava-te! Nesta noite que não consegui dormir percebi que amar dói muito, por vezes é como se uma espada se espetasse no nosso coração, uma dor que parece não ter fim. Pergunto-me se onde estás sentes a minha falta e de tudo que passamos, se tens outro alguém ou se no fundo esse teu lado mau, esse teu coração de perda seja mole, frágil e capaz de voltar a amar-me. 

2 comentários:

  1. esta lindo.. mas é uma coisa que custa.. a saudade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, sim custa bastante, é um dos sentimentos que mais custam

      Eliminar