"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

17/09/2013

Au Revoir

As despedidas custam sempre e não me venham contrariar;  ver um nosso querido partir, mudar de vida para outro mundo, outra realidade longe da nossa custa e dói na alma e no coração. Eu não gosto de despedidas, confesso. Fazem-me derramar lágrimas e ter os sentimentos à flor da pele; fazem-me recordar todos os momentos vividos com aquela pessoa e querer que ela não se vá. É que sabem, por vezes a distância faz correr nas veias vestígios de saudade que fazem com que o coração entre em arritmias complicadas de controlar. Não gosto de despedidas, de momentos em que parece que não nos iremos ver mais; prefiro deixar as coisas no ar e dizer: até já, do que dizer: adeus, até um dia. O simbolismo de um até já é mais positivo e um adeus é uma palavra forte para se dizer; aliás, apaguei-a do meu dicionário porque tem um sentido conotativo deveras pesado, como que a cortar os laços com alguém e eu não gosto de cortar laços, a menos que seja obrigada. Mais vos digo, quando for a minha despedida, não sei se quero despedida como tantos dizem, porque tornar-se-á mais fácil se disser apenas até já.

2 comentários:

  1. gostava do até já, até virar cliché. agora prefiro um 'vemos-nos logo'. gostei muito do texto.

    ResponderEliminar
  2. Adorei o teu texto! Tal como tu, também eu não gosto de despedidas. Infelizmente, todos os anos tenho de me despedir daqueles que me são queridos e custa imenso ter de o fazer. Entendo perfeitamente cada palavra aqui escrita.

    ResponderEliminar