"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

15/09/2013

Simples

Lauren pegou numa faca que retirou de dentro da sua mala. Com a mão bem firme, segurou-a e levou-a atrás das costas verticalmente à sua medula espinal. A sua respiração estava ofegante mas Lauren já aprendera outrora como a controlar em momentos de «trabalho». O seu esqueleto adotara agora uma nova posição e bem rígido preparava-se agora para subir a escadaria até ao quarto de Daniel. Há medida que ia subindo, o seu olhar ia focando o alvo como um gps seguindo as coordenadas que o cérebro lhe transmitira. O percurso das escadas estava agora concluído e a entrada no quarto de Daniel seria naquele momento. Não aconteceu. Esperou uns momentos, encostando o seu ouvido à parede na tentativa de captar algum som fora do normal. O ruído não se fizera sentir e então decidiu avançar. Abriu a porta vagarosamente para não chiar e dirigiu-se ao alvo. Trespassou-o. Não gemeu. Simples.

1 comentário:

  1. a morte física não implica a morte psicológica, aí reside o problema

    ResponderEliminar