"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

24/11/2013

á beira do rio.


Estavas ali ao pé do rio, como de costume. Eu sentei-me ao teu lado, e pedi-te que me contasses uma das tuas histórias, aquelas que eu adorava ouvir quando estava mal. Reparaste que eu não estava bem, sem antes te dizer tal coisa, apoiaste o teu braço no meu pescoço e foste contando. A meio da história, percebi que desta vez não era inventada, mas sim uma fase que passaste, que era idêntica ao que estava a passar. Fiquei admirada porque nunca foste de contar a tua vida, nem a mim que era a pessoa mais próxima de ti. Ficamos a conversar horas e horas na beira do rio, nosso local predilecto. Mas quem por ali passasse deveria pensar que era louca, por estar a falar sozinha, não te viam porque na realidade não estavas lá. Estava a anoitecer, tinha de ir para casa, despedi-me de ti enquanto olhava o céu, pedi que se fosse possível, gostava de sentir novamente o teu abraço apertado. Fechei os olhos, e senti um arrepio, estavas ali, naquele sitio a dar-me um abraço e a fazer-me feliz como outrora fazias.

8 comentários: