"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

21/02/2014

20.46h

Parece que quando o que sinto por ti acalmou, dou por mim a perceber que não. Algures no tempo em que tentei não perceber o que sentia, o que sentia acabou por aumentar. São tantas voltas e reviravoltas quando escrevo o verbo "sentir" que acabo confusa sobre o que estou exactamente a escrever.
Eu não te dou espaço a que chegues o suficiente, ou, pelo menos, penso que não o faço. E penso que o contrário também acontece. E acabo a perceber que errei, das duas afirmações que fiz. Já é algo que não é exterior, o que vem de ti. Torna-se parte de mim. Parte da minha pele, mas vem da tua. Parte complexa do que somos; do que fui antes de me ter cruzado contigo e, ao qual, não quero voltar. Compreendo que me assusta mais saber que posso ter que viver sem ti do que outra coisa qualquer. A verdade é que anseio por me descobrir em ti, mas do que sei. Mais do que quero saber. Ouço todas as vozes na multidão e procuro apenas pela tua; em todos os rostos existem réstias do teu sorriso e em cada corpo há tentativas de atingir o teu. Devo começar a endoidecer daqui a um tempo, marcado por um relógio que não tem horas; devo noites de sono a mim mesma, que começam e acabam na tua companhia não presente, devo-me tardes inteiras. Devo tanto e não me importo. Só me importa a loucura que de mim se apodera quando eu não autorizei a que viesse. Tu deste cabo do muro que me envolvia e não precisaste de grandes golpes. E o meu controlo esvaiu-se como se uma ferida aberta se tratasse e sangue escorresse dela. Tu dás cabo do que eu sou e eu penso que continuo a não deixar; deixo. Quero deixar. Por muito confusa que aparente estar, quero que chegues perto de novo. Sempre outra vez porque já me esqueci da anterior. Ou não, mas é isto. E não tenhas pena de mim porque eu também não tenho. E por muito confusa que me revele, a escrita - agora confusa - deixará sempre tudo no seu lugar, ou, pelo menos, tentará.

4 comentários:

  1. Gostei muito, muito deste post, sobretudo da última frase. Boa conclusão ^^ também já passei por isto.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. és grande. e és ainda maior quando escreves

    ResponderEliminar