"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

03/03/2014

A história repete-se, costas voltadas e palavras cortadas. Pergunto-me vezes sem conta se é disto que somos feitos. Se é isto que nos caracteriza e às vezes fico com medo quando percebo que a resposta pode ser “sim”.
Não teria medo, se não soubesse que te sei de cor e que tu me sabes igualmente. Não teria medo se não soubesse que és a parte mais certa e correcta da minha vida, não fosses tu um dos meus maiores erros. E… Há erros que sabem tão bem. O fruto proibido é sem dúvida o mais apetecido e eu quis-te tirar a proibição que trazias como rótulo. Não gosto de clichês e tu foste o maior clichê da minha vida. E eu sabia. Sempre soube que era um perigo deixar-te aproximar, que poderias ser a corda bamba por onde eu não saberia caminhar. Mas eu quis, arrisquei e perdi.
Não me arrependo. Lembra-te sempre que nunca me vou arrepender de nada que tenha o teu nome como fundo. 

4 comentários:

  1. O não te arrependeres, é o melhor. A vida prossegue, e quem sabe que erros e que escolhas corretas te esperam. Boa viagem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão. O melhor é saber que aquilo que vivemos foi bom e que não passa a ser mau só porque não é mais o presente.

      Eliminar
  2. Nossa... muito bonito, mas complicado.
    Há erros que sabemos que acontecerão, e mesmo assim nos entregamos à eles. A razão? Realmente não sei.

    Uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há coisas que de facto não têm uma razão. Ou então nós é que não a encontramos.
      Uma boa semana. :)

      Eliminar