"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

19/03/2014

O mundo está cheio de frases feitas que não contêm qualquer verdade. Se repararmos no profundo delas acabamos a verificar o vazio de ensinamento. 
Dizem que "longe da vista, longe do coração" e eu pergunto "a sério? Deve ser porque nunca te magoaram". Quem seriam estes bandidos que deixaram este género de tentativa de ensinamento para trás? Não me trouxe bem nenhum. Sei que quanto mais longe da minha vista, muitas vezes, mais entranhado no meu coração se encontra.
O problema deste tipo de frases, filosofias um pouco vagas, é aplicarmos acontecimentos particulares conjugados com palavras bonitas e fazermos delas uma regra geral, lei máxima da nossa vida. Por vezes está longe da vista quem nos fez mal de perto… e ainda assim não conseguimos esquecer, mesmo assim não nos deixamos seguir em frente. Por vezes as frases feitas fazem-nos viver outra vida que não a nossa, a vida definida por quem achou no papel o seu refúgio pessoal. Porque não vemos nelas apenas uma alternativa? Porque não conseguimos seguir em frente sem o peso do esquecimento não esquecido guardado nos ombros? Porque não avançamos? Parámos na esquina onde tudo aconteceu e deixámos que a vida nos guiasse sem saber para onde vamos. Onde queremos ficar. Sem dar oportunidade a outros de entrar porque quem achávamos certo saiu. É injusto e os culpados somos apenas nós. Tomamos uns pelos outros, achamos que se caimos à primeira vamos cair em todas. Deixamos a vida suspensa naquela esquina. 
Dizem que é bom ter medo pois é sinal que ainda temos algo a perder. Pois eu prefiro pensar no que tenho a ganhar. Quantas ruas me esperam? Quantos mundos poderei eu alcançar quando dobrar a esquina em que me deixei prender? Dizem que algumas das maiores sensações que temos são coisas psicológicas. Talvez sejam mesmo. Mas as correntes que sinto em mim parecem-me reais… Até ao dia em que me deixar libertar. Aí verei que a liberdade é a minha única crença: livre de pré-conceitos, livre de frases feitas, livre de correntes do passado. 
Um texto de Mariana Pereira e Emily

Sem comentários:

Enviar um comentário