"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

18/05/2014

Sida

«aqueles que têm nome e nos telefonam
um dia emagrecem - partem
deixam-nos dobrados ao abandono
no interior duma dor inútil muda
e voraz

arquivámos o amor no abismo do tempo
e para lá da pele negra do desgosto
pressentimos vivo
o passageiro ardente das areias - o viajante
que irradia um cheiro a violetas nocturnas

acendemos então uma labareda nos dedos
acordamos trémulos confusos - a mão queimada
junto ao coração

e mais nada se move na centrifugação
dos segundos - tudo nos falta

nem a vida nem o que dela resta nos consola
e a ausência fulgura na aurora das manhãs
e com o rosto ainda sujo de sono ouvimos
o rumor do corpo a encher-se de mágoa

assim guardamos as nuvens breves os gestos
os invernos o repouso a sonolência
o vento
arrastando para longe as imagens difusas
daqueles que amámos mas não voltaram
a telefonar»
Al Berto, Horto de Incêndio

E depois há aqueles que, mesmo vivos, não voltam a telefonar, por deixarem de ter nome para nós.

3 comentários:

  1. Muito inspirador...também vou seguir este. *.*
    Adorei os textos que li so far, mas vou continuar.
    muah*

    ResponderEliminar
  2. bem, como te ausentaste do outro teu blog vou começar a responder para este. espero que não haja problema :o
    estive a ler o teu texto ''leva-me'', que está nos mais vistos, e é tão lindo!
    não sei bem como estão as coisas comigo neste momento, é confuso :s

    ResponderEliminar