"A vida são dois dias
Um serve para escrever o melhor texto do Mundo.
O outro para morrer a lê-lo."

19/12/2014

Tenho saudade, mas não tenho pachorra!

     Que saudade que eu tenho de quando o tempo me escorregava das mãos como manteiga nas torradas de domingo. Saudade é uma palavra forte mas adequada para o propósito. Tenho saudades de me sentar num banco de jardim, contigo ali ao meu lado, pronto a ouvir-me. Atenção, a ouvir-me a mim e a todos os meus pensamentos que me vão saindo boca fora. Que saudades! Mas tenho mais saudades de não ter saudades tuas. Não as tenho, na verdade. Tenho um fio de sentimentos que fez nó e não tenho pachorra para os desatar. É mesmo essa a expressão: Não tenho pachorra!
     Por agora, nas horas que me são possíveis, vou passear pela cidade como se estivesse acompanhada. Às vezes, confesso, dou por mim a cantar e a falar para pessoas que nem conheço. Acho que me encontrei, encontrei um novo eu.

Sem comentários:

Enviar um comentário